China recusa diálogo com Dalai Lama e insiste em acusações

Agência Lusa

 
envie por e-mail
imprimir
comente/comunique erros
download gratuito
Pequim (China) – O governo chinês recusou conversações com Dalai Lama, apesar das crescentes pressões internacionais para que Pequim dialogue com o líder tibetano exilado, no momento em que aumenta a presença militar chinesa no Tibete.

O porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, Qin Ganag, disse que Pequim classifica Dalai Lama oficialmente como um líder religioso falso e “hipócrita” que deseja a independência do Tibete.

“O Dalai Lama deve desistir da sua exigência de um Tibete independente, acabar com suas atividades separatistas, reconhecer que o Tibete é parte da China e que o governo da República Popular da China é o único governo legítimo”, disse Qin Gang em entrevista coletiva.

Ele respondia aos apelos do Papa Bento 16 e do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, para novas negociações entre Pequim e o Dalai Lama, que disse novamente estar disposto a negociar com a China “dentro de semanas, dentro de alguns meses”.

Dalai lama afirmou que não deseja a independência do Tibete, mas uma “autonomia significativa”, afirmações que Qin Gang voltou a desvalorizar.

O porta-voz reforçou as acusações chinesas de que “o grupo do Dalai Lama” foi o autor das manifestações contra a administração no Tibete. Os atos começaram em 10 de março em Lhasa, a capital tibetana, e se tornaram violentos no último dia 14.

“Ele diz que não é um separatista, mas as suas propostas e ações provam que ele nunca parou com as suas palavras e atos que visam separar a pátria”, disse Qing.

O porta-voz se recusou a explicar como Dalai Lama pode convencer o governo chinês de que não busca a independência do Tibete.

Pequim diz que os motins de Lhasa deixaram 325 feridos e 16 mortos, incluindo 13 queimados pelos manifestantes e três que morreram ao saltar de janelas e telhados.

Os grupos de exilados tibetanos dizem que a repressão chinesa sobre os manifestantes causou pelo menos 100 mortos.

A agência de notícias oficial Nova China confirmou nesta quinta-feira que os protestos se espalharam pelas províncias de Sichuan e de Gansu, onde vivem muitos tibetanos.

Qin Gang também aconselhou turistas estrangeiros a evitar estas duas províncias, apesar de dizer que “a situação está basicamente sob de controle”.

“Para garantir a segurança dos turistas estrangeiros, sugerimos que não visitem estes locais no momento presente”, disse Qin Gang, antes de afirmar que “o governo chinês é totalmente capaz de garantir a proteção dos turistas”.

Protestos pró-Tibete foram realizados em diversas partes do mundo nos últimos dias. Na terça-feira, por exemplo, um grupo manifestou-se em frente ao Comitê Olímpico Internacional (COI), em Lausanne. Nesta quinta, manifestantes demonstraram insatisfação com a situação em frente à embaixada chinesa em Viena, capital da Áustria.

Anúncios

Comente

Required fields are marked *
*
*

%d blogueiros gostam disto: