Prefeito de Bogotá elogia operação de resgate, mas rechaça terceiro mandato para Uribe

Julio Cruz Neto
Enviado Especial

Bogotá (Colômbia) – Depois do resgate de Ingrid Betancourt e outros 14 reféns, na última quarta-feira (2), a popularidade do presidente Álvaro Uribe, que já era alta, disparou. Qualquer pessoa em quem se esbarra em Bogotá fala bem dele. Pesquisa do Instituto Yanhaas divulgada sexta-feira (4) mostra que 91,72% dos colombianos aprovam a gestão Uribe. Cresce a pressão para que a Constituição seja mudada, permitindo que ele dispute o terceiro mandato.

Para avaliar este cenário político, a Agência Brasil entrevistou um dos oposicionistas mais representativos da Colômbia: Samuel Moreno Rojas, prefeito de Bogotá, terceira maior cidade da América do Sul e principal centro econômico do país, onde vivem 7,5 milhões dos 45 milhões de colombianos.

Moreno integra o Pólo Democrático Alternativo, surgido em 2006 com a fusão do Pólo com a Aliança Democrática – que, por sua vez, foram formados em 2002, a partir da aglomeração de diversos partidos de esquerda, numa reforma política que acabou com as agremiações nanicas, algo que o Brasil esboça fazer.

A esquerda continua sendo minoritária em âmbito nacional, frente à hegemonia de Uribe, mas tem maioria em Bogotá. Além disso, Moreno tem no currículo a maior votação da história da capital, pois foi eleito em 2007 com 915,7 mil votos, batendo por 2 mil votos o recorde de seu partidário e antecessor Luis Eduardo Garzon.

É com essa autoridade que Moreno rechaça veementemente a possibilidade do terceiro mandato presidencial, embora reconheça o sucesso da operação militar que resgatou sua amiga Ingrid Betancourt. Amiga que não poupou elogios ao governo Uribe ao deixar o cativeiro. Mas sobre isso Moreno prefere não se aprofundar e esperar para ver como o espectro político vai se acomodar.

Leia a integra da entrevista, realizada em conjunto com a TV Brasil.

Agência Brasil – Como fica a esquerda colombiana com a libertação de Ingrid e o fortalecimento de Uribe?
Samuel Moreno Rojas – A libertação, indiscutivelmente, é uma ação muito importante para as Forças Armadas. Mas de maneira alguma fecha a porta de um acordo humanitário, porque mais de 2 mil pessoas continuam seqüestradas na Colômbia. Então todas estas mobilizações, ações da cidadania, tudo que fazemos é muito importante continuar. Não vamos descansar ate que o seqüestro deixe de ser arma política e não reste sequer um seqüestrado na Colômbia.

ABr – Há uma porta aberta para que o xadrez político se jogue apenas no campo das idéias.
Moreno – Exatamente. Rechaçamos de maneira enfática a luta armada e violência contra a população civil. É nas urnas, no processo democrático, que se devem resolver os problemas da Colômbia.

ABr – Estão todos dizendo que Uribe é imbatível, que terá um terceiro, quarto, quinto mandatos…
Moreno – Eu fui congressista muitos anos e me opus à reeleição presidencial. Mais do que das pessoas, deve-se lutar pela reeleição das idéias e das propostas. Claro que a conjuntura é favorável pelos índices tão altos de popularidade do presidente, mas se considerarmos que o processo eleitoral será daqui a dois anos, muita coisa pode mudar. Também considero que mudar a Constituição para permitir a reeleição de uma pessoa fecha os espaços da democracia.

ABr – Hoje em dia fala-se de um referendo para julgar a reeleição de Uribe, que está sendo questionada na Justiça. O que esta havendo?
Moreno – O que a Suprema Corte questionou é o procedimento por meio do qual se permitiu a reeleição, não o resultado das urnas, já que Uribe obteve um triunfo inquestionável [o presidente venceu com 62% dos votos]. A Suprema Corte pediu que a Corte Constitucional revise a sentença que permitiu a reeleição, e eles disseram que não é mais uma questão que possa ser revisada. Estamos pendentes dos termos definitivos dessa sentença.

ABr – O quadro de terror favorece um terceiro mandato de Uribe?
Moreno – Oxalá não, que todas estas ações não sejam interpretadas como uma futura e próxima reeleição. O país não pode legislar por causa de uma conjuntura, de umas ações que foram positivas, importantes. Esperamos que não mudem a Constituição e possa haver outros candidatos e candidatas em 2010.

ABr – É verdade que seu avô, o general Gustavo Rojas Pinilla, foi o único presidente militar da Colômbia no século passado?
Moreno – Sim, ele foi presidente de 1953 a 1957.

ABr – Como alguém com ascedência militar vira um político de esquerda?
Moreno – Porque as idéias do nosso partido sempre tiveram profunda convicção social, a favor dos interesses dos mais necessitados, da imensa maioria dos habitantes. Assim como meu avô, que foi militar pelas idéias e grande parte de seu governo foi focado em idéias sociais, no reconhecimento dos mais pobres e vulneráveis.

[Foi durante o mandato de Pinilla que as mulheres ganharam o direito de votar, por exemplo. O general assumiu o poder em um golpe de Estado na época chamada de La Violencia, período de 12 anos marcado por terrorismo, assassinatos e destruição de propriedade, iniciado com o assassinato de um líder liberal. Saiba mais sobre Pinilla e La Violencia]

ABr – Analistas projetam uma dupla com Ingrid como candidata a vice-presidente de Uribe. Você acredita nisso?
Moreno – Não sei. Aqui na Colômbia acontecem tantas coisas em tão pouco, que é impossível dizer qualquer coisa que vá acontecer daqui a dois anos.

ABr – Que relação política o senhor tem com Ingrid?
Moreno – Tenho uma relação de longa data. O pai dela, Gabriel Betancourt, foi ministro da Educação do meu avô. Conheço Ingrid desde pequena, fomos colegas no Senado e nossas famílias são muito próximas. Tive a oportunidade de falar com ela e dar-lhe as boas-vindas.

ABr– Mas parece que agora ela apóia Uribe fortemente. Ou será só algo momentâneo?
Moreno – É que a operação de resgate foi exitosa e muito importante para ela. Vamos esperar para ver o que acontece.

Comente

Required fields are marked *
*
*

%d blogueiros gostam disto: