Presidente do Supremo critica “espetacularização das prisões” em operação da Polícia Federal

Brasília – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, criticou hoje (8) à noite, antes da solenidade de posse do novo secretário-geral do Conselho Nacional de Justiça, Álvaro Ciarini, o que classificou como “de novo, um quadro de espetacularização das prisões” por parte da Polícia Federal. Mendes referiu-se à Operação Satiagraha, que resultou hoje nas prisões do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, do banqueiro Daniel Dantas e  do empresário Naji Nahas, além de outros 17  acusados de crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e formação de quadrilha.

O ministro considerou esse procedimento da Polícia Federal “dificilmente compatível com o estado de direito” e também condenou “o uso abusivo de algemas”, acrescentando que “tudo isso terá  que ser  discutido”.

O presidente do Supremo qualificou ainda como  “absurdos” os pedidos de prisão preventiva,  busca e apreensão da jornalista Andréa Michael, do  jornal  Folha de São Paulo, por ter antecipado, em reportagem publicada no dia 26 de abril, o teor da operação Satiagraha.

De acordo com informação publicada na página do STF na Internet, o ministro disse que “prender um jornalista por revelar uma informação faz inveja ao regime soviético. Ainda bem que o juiz negou o pedido”. Gilmar Mendes definiu como abuso do próprio pedido  de prisão preventiva a atitude da Polícia Federal em relação à jornalista Andréa Michael e questionou tal procedimento: “Caso se impute à jornalista prática de uma infração, qualquer que ela seja, qual é a justificativa para a prisão preventiva? Ela poderia  fugir? Ela poderia dar cabo de provas?”, indagou Gilmar Mendes.

==========

Jorge Wamburg
Repórter da Agência Brasil

Comente

Required fields are marked *
*
*

%d blogueiros gostam disto: